sáb., 10 de jul. | Feira de Santana

Rito de Imersão Toré

O registro está fechado
Rito de Imersão Toré

Horário e local

10 de jul. 00:00 – 11 de jul. 00:00
Feira de Santana, Feira de Santana - BA, Brasil

Sobre o evento

Rito Imersao Tore     

Participação Kariri Xocòs (Alagoas)     

*Canto Uirapurú/ Feira de Santana*    

*15 vagas*

Inscrições/ Maiores informaçõe : Balthazar Levy - 071 99215-7330

Data do Evento: 10 e 11 de Julho 

Chegada: 15h sabado/ saida almoco domingo.

 Chetuá! Salve salve caboclos/as e guardiões/ ãs da Saúde do Brasil.     

Raça Vermelha, mestiça, homens, mulheres, crianças e anciãs/ãos, seres humanos que pulsam incansavelmente a pureza de um coração transbordante em comunhão e respeito com as leis universais e da natureza.     

A lembrança cotidiana de um sonho tão natural e antigo: o coração do céu/ pai em êxtase de comunhão amorosa com o coração da terra/ mãe. *Unidade entre corpo e espirito, intimidade consciente*.     

Filhos e filhas dos quatro elementos, alquimistas da tecitura de um sonho ancorado na nudez do corpo de medicina: sentir, pensar e agir a partir de um coração autêntico, flecha certeira sem disfarce. *Sentir é curar*.     

Sustentação de sabedoria simples e reverência cotidiana ao milagre da vida: o sonho acordado de uma terra tão antiga. *Necessitamos de terra, água, fogo e ar para sobreviver*.    

 Bater os pés no chão, cantar, dançar e suar para a terra, acordando as memórias adormecidas do sangue vermelho pindorama, persiste, resiste. *Toré, acupuntura que recupera as malhas energeticas esburacadas do corpo vital violentado da terra*     

Eu, eu, meu, meu, desejos, necessidades, vontades, disfarces, subterfùgios, camadas sobrepostas de peles sintéticas de conforto e competição, o psicopata tirano da cadeirinha alta, adulto infantilizado, o eterno insatisfeito, que coloniza a vida a partir de uma vontade insana eternamente carente e vítima do próprio juíz, toturado e afastado do coração. *Civilidade: por onde anda o direito à natureza? Minérios e pedras preciosas para atender o sonho iludido de máquinas e jóias que consomem as reservas do sonho insano de tecnologias de cidades e castelos em ruínas que aprenderá com a dureza da crise de colapsos e vírus que o próprio vìrus Eu Sou, Sou Eu*.     

Brasil, acorda e levanta. Ergue na verticalidade da consciência desperta o pacto com a ancestralidade. Recupera a sua valentia adormecida e opera as mãos em correntes de união com o coração pois é preciso mais do que nunca, estar atento e forte !     

Texto (Ybirá)

Instagram: comunnachamatrina

Compartilhe este evento